Ciência sem Fronteiras expõe 'lado feio' da proficiência de idiomas no Brasil

Procura desproporcional por Portugal no programa do governo federal Ciência sem Fronteiras seria reflexo de deficiências no ensino de idiomas estrangeiros nas escolas do Brasil. 
Segundo o professor José Carlos Almeida Filho, pesquisador do Departamento de Línguas Estrangeiras da Universidade de Brasília (UnB), falta uma política de longo prazo para garantir o aprendizado, principalmente de inglês e espanhol.  Leia mais.

Veja também: Espanha perde 1.200 bolsistas brasileiros por uma trava administrativa | MEC manda 110 bolsistas voltarem do exterior sem estágio | Ciência sem Fronteiras: inscritos para Portugal irão para outros paísesEspanhol: Bolsas de estudo para brasileiros | Ciência sem Fronteiras: Relação de países parceiros
Compartilhe